#46 – E se isso acontecesse comigo – Meu caminho ao nomadismo digital

05/06/2021 16 Por TR

“E se eu fizesse uma viagem de longo prazo pra experimentar coisas novas?”

Foi com essa ideia na cabeça que comecei a orquestrar minha saída da vida depressiva que estava levando até então. Quando eu finalmente decidir que eu realmente iria viajar por um tempo indeterminado eu comecei a consumir muito conteúdo de viagem com o objetivo de já ir me preparando aos poucos e vendo como era esse novo mundo. Sem dúvida a insegurança financeira foi uma preocupação forte e comecei a ver várias formas de como ganhar dinheiro viajando, seja ela qual for, ou de como viajar barato.

Depois de muita pesquisa cheguei a conclusão que esse papo de ser nômade digital era algo fora da alçada que eu estava procurando. Não que eu não desse conta ou algo do tipo, tenho completa confiança em mim, mas porque eu estava planejando pedir demissão de um serviço público justamente porque eu não era feliz lá e não fazia sentido na eu ir atrás de outra atividade que também não era prazerosa pra mim apenas por dinheiro. Assim sendo, decidi que iria viajar sem emprego, larga tudo mesmo, fazer uma reserva financeira que me confortasse e viajaria com menor orçamento possível e foi esse o plano que cravei.

Já muito determinado e sem saco pro funcionarismo público fui lá e pedi demissão, larguei minha carreira pública com um futuro e uma excelente aposentadoria para algo totalmente incerto e “louco”, mas ok, era o que eu planejava. Porém, em vários momentos antes e depois da demissão eu não parava de imaginar cenários, era o famoso “e se”, e o que mais me marcou foi “e se eu conseguisse viajar da forma que eu pretendo tendo um emprego flexível e que eu gostasse?”, isto é, o famoso nomadismo digital agradável.

Esse era sem dúvida o cenário perfeito pra mim, nem precisava ter um bom salário ou algo do tipo, aliar uma viagem que eu sonho desde muito tempo com uma segurança financeira de um emprego flexível e ainda um que me agradasse era muito sonho pra ser realidade, pra que ficar imaginando cenários futuros tão improváveis?

Mas a vida é uma caixinha de surpresas, como diria Joseph Climber

Vida foi passado, pedi demissão, empurrei a viagem pra frente, entrei num emprego novo, briguei na justiça pra ser liberado do serviço público, perdi no começo e tive que trabalhar em dois empregos “full time”, logo depois ganhei um fôlego jurídico e até então estou super feliz na casa dos meus pais economizando cada centavo para logo logo “larga tudo” e começar a viagem.

Em todo esse tempo o ritmo de pesquisas e conteúdo sobre viagens de longo prazo não cessaram. Continuei planejando o futuro e fazendo um colchão financeiro pra me jogar na estrada, aquele sentimento de “e se isso desse certo” ainda existia, mas eu já estava cascudo o suficiente pra aceitar o cenário que planejei e parei completamente de pensar em algum trabalho remoto que me fosse de agrado, interessante e flexível. Já tinha aceito completamente uma viagem low cost, com muito voluntariado, couchsurfing, camping, pedidos de caronas e tudo mais, isso não me assustava, na verdade me animava.

Mas a vida é uma caixinha de surpresas…

Antes de entrar no meu atual emprego eu já tinha avisado a eles que eu iria sair no fim de 2021, já tinha avisado que seria algo mais temporário pois tinha outros planos em mente, não escondi nada, fui totalmente honesto, tanto que isso de certa forma me “limitou” na empresa, pois meu chefe tinha planos mais altos pra mim, porém, como contar com um cara que vai sair com certeza em menos de 1 ano de serviço?

Pois bem, com o colchão financeiro feito (nem metade do que eu pretendia juntar hahaha), determinado e sem mais grande paciência pra esperar a viagem começar fui avisar meus coworkers que eu sairia mais cedo, dar aquele famoso aviso prévio de uns 30 dias ou mais para que pudéssemos contratar alguém no meu lugar e eu treinar rapidamente ela. Porém, nesse caminho uma grata surpresa é revelada: tanto meu chefe quanto o pessoal do RH decidiram tentar me manter na empresa mesmo comigo viajando, aceitaram “uma forma mais flexível” (na verdade meu trabalho já é muito flexível) na tentativa de me manter na empresa e eu também atingir meus objetivos pessoas.

Confesso pra vocês que eu não esperava muito isso, já tinha colocado TÃO FUNDO na minha cabeça que iria viajar sem emprego ou renda que já era uma realidade clara e cristalina, eu estava completamente feliz e satisfeito com esse caminho. Agora eu me pego dentro do meu cenário imaginário e “impossível” de 8 meses atrás, em que viajar, ter um emprego que eu goste e flexível era uma utopia, um “e se” forte demais pra ser verdade, mas que aparentemente vai acontecer.

Não sei como as coisas vão seguir daqui pra frente, também não sei como vai ser essa nova fase, tenho mínima ideia se o nomadismo digital é pra mim, o que eu sei é que vou testar pra ver no que vai dar.

Já informo aqui que é reconfortante demais ficar entre duas opções totalmente agradáveis e aceitais com seus objetivos e valores. Caso eu não goste, acabe achando que está ruim ou chato, que não está legal pra mim ou pra empresa eu simplesmente saio, vou pro meu cenário antigo que já estava de bom tamanho pra mim. Estou achando isso incrível porque nunca me senti tão leve e seguro, se tudo der certo e for mil maravilhas, OK!! Muito legal, vou ter minhas obrigações empregatícias, mas eu gosto do meu emprego. Se tudo der errado e eu pedi demissão ou for demitido, ok também! Na verdade acho que me sentiria até mais feliz, porque é justamente a forma que visualizei todo esse tempo como a viagem seria.

Enfim, estou contemplado! A vida se mostra ser muito traiçoeira as vezes, puxando o seu tapete até pra te mostrar caminhos felizes, diferentes e interessantes. Tudo está se encaminhando bem e estou me sentindo mais vivo do que nunca, muuuuito diferente do que eu era a 1 ano atrás. De todas as grandes decisões que tive que fazer na minha vida não me arrependo de nenhuma, pode até ser um pouco cedo pra afirmar isso, mas acho que a decisão de pedir demissão do meu serviço público no dia 8 de dezembro de 2020 foi a mais certeira rumo a minha felicidade e rapaz, te contar uma coisa, esse negócio vicia.

TR