#32 – O Investidor é um Eterno Arrependido

23/01/2021 24 Por Papo TR

Para muitos daqui que já investem a um bom tempo provavelmente já conhecem esse ditado “popular” e já deve ter sentido na pele os seus “efeitos”, mas pra quem é novo nos investimentos esse é um grande aprendizado pra se absorver desde cedo, mesmo que não entenda por completo agora.

O investidor é um eterno arrependido, sim, oohh se é meu amigo. O investidor investidorrr mesmo sempre tem aquele leque de opções na sua frente, e sempre são muitas, renda fixa que garante aquela segurança, FII pra garantir aquele mensalzinho, ações para tudo que é gosto, acabou? Nãããooo, tem as famosas opções do exterior, simplesmente pegue todas as opções de investimento que temos no Brasil e multiplique por infinito, é isso que você poder achar no exterior, sem falar que não citei outro ativos como imóveis e criptomoedas.

Para muitos daqui que já investem a um bom tempo provavelmente já conhecem esse ditado “popular” e já deve ter sentido na pele os seus “efeitos”, mas pra quem é novo nos investimentos esse é um grande aprendizado pra se absorver desde cedo, mesmo que não entenda por completo agora.

“Ok, mas porque você está falando de opções de investimento, cadê o arrependimento?”       

É aí que entra aquele gostinho de insatisfação, quanto mais opções temos mais indeciso ficamos, quanto mais indeciso mais paralisados ficamos, e essa paralisia faz com que não tomemos nenhuma ação ou que tomemos ações baseadas na quantidade de opções e não nos critérios específicos. O número de opções faz esse arrependimento ficar mais forte, mas ele vem a tona só depois da aplicação.

Não entendeu nada? Vamos a uns exemplos pessoais então. Olha essa história minha: começando com uma ação que eu investi no IPO no final de novembro de 2020, a Méliuz, CASH3. Fui lá no homebroke da Clear e reservei 300 ações pra comprar no IPO, por descuido meu eu não reservei elas com lock-up, então fui no atendente e pedi pra cancelar essa reserva que eu faria outra, ele disse que eu poderia fazendo outra que a antiga já estaria automaticamente cancelada. Blz, então fui lá e decidi investir um pouco mais, reservei 400 com lock-up.

Saiu o IPO a R$ 10 e quando vou olhar no homebroke eu tinha gasto R$ 6.700, isto é, tinha comprado 670 ações, 300 sem lock-up e 370 com. Fiquei muito bolado porque não queria aquilo tudo de ações, e a porra da Clear tinha me enganado falando que a segunda ordem cancelava a primeira, fui no atendente e ele disse que como eu ordenei com características diferentes elas não se cancelaram, tinha que ser outra ordem com as mesmas características.  

Ok, bola fora minha e do suporte da corretora, fui lá conserta o erro e vender a ação porque não queria isso tudo de percentual da carteira e vendi 300 ações por R$ 9,50 (sim, 5% de prejuízo) e fiquei de boa. Passa dezembro a ação começa a fugetar, 30% num dia, 50% na semana, 100% no mês, resultado, estou eu agora perto do final de janeiro com a ação batendo máxima em R$ 35!!! São mais de 250% de rentabilidade em menos de 2 meses!!

E o arrependimento? Apesar da grande alegria de estar lucrando muito com a empresa, não deixo de ficar um pouco arrependido porque vendi aquelas 300 ações alguns dias depois do IPO. Já lucrei mais de R$ 9.000 com ela, mas não deixo de pensar nos outros R$ 7.500 que eu deixei de ganhar!! Putz; e sim, todo investidor um dia já deve ter passado por isso, “ahhh se eu tivesse investido mais nessa ação que subiu muito”, “ahhh se eu tivesse investido em Tesla”, “ahhh se eu tivesse investido em bitcoin na época X”, é o famoso eterno arrependimento.

Mas não é só arrependimento de alegria, o investidor é um eterno arrependido para os dois lados.

Outro exemplo pessoal, uma das primeiras ações que comprei foi Itausa (ITSA4), que rendeu ok e me deu muitos dividendos, Wege (WEGE3), que subiu muito e que também me deu alegrias e aquele arrependimento de não ter comprado mais e M. Dias Branco (MDIA3), uma empresa que comprei com um preço de R$ 50 reais, subiu pra R$ 60 e eu animado enchi o carrinho de novo e hoje ela tá como? Tá na casa dos R$ 30, continuo seguro ela até hoje e depois de tanto tempo ela ainda está muito negativa (50% de queda). “Ohh bendito arrependimento de ter comprado essa empresa”, ou “porque coloquei tanto dinheiro a mais, porque eu não peguei esse dinheiro e não coloquei em Magalu, Wege e outras?” Sim, esse é o pensamento que passa muito na nossa cabeça, o arrependimento de amargura, de ter feito algo errado, acontece, faz parte do jogo.

A grande questão aqui é que não podemos ficar brincando de olhar pro retrovisor e ficar de apaixonite ou odiozinho de isso ou aquilo porque isso é passado, muitos influencer e caçadores de mídia adoram colocar esses exemplos de lucros exorbitantes na tela pra chamar atenção, da mesma forma que muitos outros educadores mais sensatos e responsáveis também realçam os prejuízos que pode ter, mas na minha visão ficar olhando pro passado é ficar querendo se remoer de histórias que não vão acontecer mais.

O passado serve pra conta contos, tirar lições e análises pra melhorar o seu presente e consequentemente o futuro, mas não serve pra ficar se arrependendo de decisões feita nele sendo que nem todas as informações você tinha na época. Eu já tive minhas fases de arrependimento, mas hoje não ligo muito pra isso, já amadureci o suficiente pra saber que fica arrependido não leva em muitos lugares. Ficar arrependido é normal, até porque, o investidor é um eterno arrependido, mas não é algo que eu me importe mais ou que abale as minhas emoções, não mais.

TR