#20 – Tese do Urânio – Porque o preço deve/vai subir?

07/10/2020 7 Por Papo TR
Fala galera, beleza?

Voltando pra continuar as explicações do famigerado investimento em urânio, pra quem não viu os posts iniciais é só clicar aqui ou aqui.

Bem, como o título já informa, nesse post vou falar do porque o preço deve/vai subir, meio que uma continuativa das narrativas históricas dos acontecimentos do post anterior do porque o preço está baixo.

Mesmo história de novo, oferta e demanda, quando você tem poucos produtores, poucos mineradores e do nada o mercado exige mais urânio isso significa que a demanda aumenta, que aquele recurso é mais requisitado no mercado e, por isso, o preço tem que aumentar. De novo é a dinâmica de ciclo de mercado de commodities, mas a diferença é que quando a demanda sobe tão forte que a oferta não consegue acompanhar os preços explodem, então vamos ver porque a demanda deve aumentar tanto assim.

Fato nº 1A produção de urânio está sendo mitigada

Como eu já informei no post passado, as mineradoras, aquelas que ainda estão em jogo, estão trabalhando em regime de prejuízo na extração do urânio (basicamente só uma empresa consegue “ter” lucro). O preço de toda operação é por volta dos USD 40, mas o preço do urânio está atualmente em USD 30. Operar no prejuízo é o mesmo que falar pras mineradoras pedirem falência ou deixarem de produzir. É o caso da empresa Cameco, a Top 2 do setor e dona da maior mina de urânio até então (McArthur River Uranium Mine, responsável por 13% do mercado mundial), ela desativou algumas minas alegando que não vai produzir mais até que o preço volte a patamares aceitáveis, se não me engano ela colocou no fato relevante dela que esse patamar era acima de USD 50. 

Antigamente a Top 1 do mercado não ligava pro preço baixo, dizia que quanto mais o preço baixasse mais ela iria produzir pra compensar, mas meus amigos, isso é papo de quem tem o menor lift cost do mundo né. Mas o curso do rio mudou pra eles, de 2019 pra cá eles mudam esse pensamento, a Kazatomprom (nome da empresa Top 1 do setor) seguiu os passos de sua companheira concorrente e anunciou o mesmo, que não fecharia contratos até o preço ser digno. Logo, se as 2 maiores empresas não produzem porque não querem (e elas tem fôlego financeiro para se manterem até o preço se ajustar) e as outras de menor porte podem até produzir mas terão prejuízo com isso então só resta uma saída do preço, subir! (aquele papo todo de que não tem produção e tem demanda)

Fato nº 2O ciclo do urânio

O ciclo do urânio, isto é, o tempo que ele leva pra ser retirado da mãe natureza e chegar dentro de um reator nuclear, não é nada pequeno, são aproximadamente 2 anos. O que isso significa? Significa que se eu fecha um contrato hoje pedindo urânio eu sou vou receber ele daqui 2 anos! Não é que nem minério de ferro, cobre, petróleo que tem ciclos muito mais baixos, é completamente o oposto e isso traz junto uma logística muito maior e uma elasticidade no preço maior ainda. Esse gap de 2 anos entre a mineração e a produção da energia pode causa um forte descasamento entre a oferta e demanda, pois a oferta estará defasada 2 anos da demanda, causando um maior esticamento do preço quando ocorrer.

Fato nº 3A dificuldade de entrada de players

O mercado de urânio é algo extremamente fora da realidade de um mercado normal, é a parte, totalmente descorrelacionado do resto do mundo. Mesmo que os preços subam muito é extremamente penoso pra uma empresa querer aproveitar essa onda, a barreira de entrada no setor é gigantesca, necessita de um puta investimento inicial apenas pra iniciar a mineração, lembra das minas desativadas pela Cameco que eu comentei? Só pra reativar ela já é custoso porque mesmo já tendo toda a estrutura e o mapeamento da mina, ainda sim precisa de um investimento grande pra dar motivação pra iniciar a operação, e isso só é possível com preços altos, de novo. 

Além disso, empresas novas precisam além de toda tecnologia, todo know-how, todo o investimento ainda precisa do principal: a mina. Não se achar minas facilmente ali na esquina, além de ser um setor muito burocrático e regulamentado. Então meus amigos, a preocupação de que empresas novas entre pra aproveitar essa “festa” de preço alto do urânio é muito baixa, fazendo o setor mantenha poucas empresas operando, tendo uma baixa aceleração na oferta, não acompanhando o crescimento da demanda e quanto maior essa diferença, maior o preço.

Fato nº 4O comprador está cagando pro preço

Um dos grandes charmes desse mercado é que o comprador (as usinas nucleares) estão cagando e andando pro preço do urânio. Você sabe quanto custa pra construir uma usina nuclear? Custa mais de 15 bilhões! 
Primeiro, porque construímos usinas nucleares? Porque elas produzem energia elétrica barata, limpa, estável e segura, sim, não vou entrar no papo ambientalista aqui, mas a energia nuclear é a mais segura de todas, é aquela que produz a energia mais estável, é aquela com menor impacto ambiental, sonoro ou do tipo e, além disso tudo, é barata quando comercializada. Então para produzir essa delícia precisamos apenas de duas coisas: a usina e o combustível. 

Além disso, depois que uma usina começa a operar e o núcleo já está quente, é extremamente penoso desligar ele por falta de combustível. A informação importante aqui é: a usina não pode ficar sem combustível e o combustível é extremamente barato quando se analisa os custos totais. Um reator gasta por volta de 500 mil libras de urânio por ano pra funciona, isso, no preço atual de USD 30 da algo em torno de USD 15 milhões por ano, agora extremamente barato considerando o investimento. Simplesmente a usina não liga pro preço, ele pode quadruplicar que não faz diferença dentro da DRE, não afeta quase nada, não faz cócegas, os outros custos são muito mais relevantes, uma usina gasta mais com advogados do que com o próprio combustível.

É o mesmo que você andar de carro com a gasolina custando 1 centavo! Os outros custos (manutenção, IPVA, seguro) são tão mais relevantes que se a gasolina for pra 4 centavos não traz grande impacto pra você.
Fato nº 5A demanda vai aumentar

Beleza, tudo isso que eu falei é muito lindo e tal, mas pra que toda a mágica ocorra a demanda de fato tem que aumentar, e porque aumentaria? 
Simples, porque o mundo está construindo usinas desenfreados. Toda aquela qualidade que já citei da energia está fazendo pressão nos governantes que estão inclinando totalmente pro lado nuclear, aquele medo do famoso desastre nuclear e todo mundo pegar câncer está sendo substituído por “vamos construir que é a única saída”. Pra ter uma ideia o Bill Gates é um dos grandes apoiadores da energia nuclear, e só pra provar que ele está comprometido em 2019 ele levantou 1 bilhão pra investir no setor e também investiu do seu próprio dinheiro outros 1 bilhão. Peter Fell, fundador da Paypal, também está investindo.

Aqui nessa parte eu teria que entrar mais a dentro das outras matrizes energéticas, não vou fazer isso, vou só mostrar o “boom” de usinas que estamos tendo: 11% da matriz energética mundial é nuclear, 20% da matriz dos EUA também, no brasil são apenas 3%, na frança são 77%, 25% na Inglaterra, 25% na Russia. Mas a surpresa mesmo do crescimento é a China, que tem 4% hoje e quer chegar a 20% até 2030. O japão é outro com objetivo de chegar a 20%. É um mercado completamente em crescimento. Mas isso vai além de só querer, muitos usinas já estão sendo construídas, a China é a que puxa tudo, estão em construção mais de 23 usinas, na Russia, 10, na Índia, 7, no Japão, Paquistão e outros, 2, até o Brasil entra nessa querendo construir mais uma usina pra nós XD!

Em 2011 tínhamos 440 reatores nucleares pelo mundo, hoje temos 450 e o mercado ficaria animadinho se amanhã brotasse 460, mas atualmente estão em construção ou em planos de construção mais de 50 reatores!

A demanda vai aumentar! Vai aumentar simplesmente porque estamos produzindo usinas que vão necessitar de combustível e o urânio é o único, vai aumentar porque os países estão com planos aprovados pra construção de usinas para melhora a matriz do país, somos cada vez mais eletrificados, cada vez há mais equipamentos elétricos e menos outros. Quer um exemplo? A expectativa é que 2040 a maioria dos carros vendidos já sejam elétricos, nosso consumo sempre está aumentando e sempre exigimos maior qualidade, estabilidade e menor preço.

Fato nº 6Está acabando o estoque

Pois é, além disso tudo que já falei do porque os consumidores finais iriam comprar mais produtos ainda tem o fator estoque. O estoque das usinas que estão operando atualmente está acabando, simplesmente isso, geral vai ficar sem gasolina. A maioria dos contratos acabam em 2022 e 2025 e, como eu já disso, a usina não vai parar, esses contratos tem que ser renovados, França não vai perde 77% da sua matriz energética por causa de falta de urânio, nem mesmo a Inglaterra, a Russia ou muito menos a China. 

Outro exemplo forte: o estoque atual dos EUA é de apenas 5 anos! Sim, se em 5 anos os EUA não comprarem urânio 20% do seu país apaga! Mas de novo, não se compra urânio simplesmente indo no supermercado, não é assim que funciona, há sim estoques/vendas pequenas que servem pra corrigir eventuais gastos de produção que é o mercado spot, mas para que daqui 5 anos os EUA queiram ter combustível nuclear para continuar operando eles tem que compra no MÍNIMO 2 anos antes. 

E como eu já falei, o preço é irrelevante pro comprador e ele necessita comprar, ele vai comprar independente do preço que esteja, igual aconteceu em 2006, onde o preço chegou a USD 140. 

Não há outro caminho, a oferta está baixa, as mineradoras se recusam produzir mais, mineradoras novas não podem entrar no ramo porque a barreira de entrada é insana e mesmo assim não vão lucrar, o urânio não sai de outro lugar a não ser das minas e somado a isso temos uma visível demanda crescente, com países construindo usinas e aderindo a projetos de longo prazo com foco na energia limpa. É uma tese complexa? É, mas são tantos fatos a favor que fica muito difícil ignorar a magnitude da situação. A grande pergunta não é se vai ou não aumentar, porque isso é fato! A grande pergunta agora é QUANDO vai aumentar.

Ufa! Acho que já tá bom, ainda ter outras coisa perdidas nas minhas pesquisas favorecendo o lado da demanda mas acho que já tá bom pro tamanho do post. Já me adianto e deixo um alerta, onde há grandes chances de valorização há grandes riscos relevantes (caralho! parafraseei o tio Ben kkkkkkkkk). No próximo post vou tentar trazer os grandes riscos desse investimento e também um pouco da assimetria que esse ramo propõe, é o famoso investimento convexo, anti-frágil, conceito lindo popularizado por Nassim Taleb. 

Fico por aqui e até mais.

TR